Aproveitar a Impendância é segredo para ter mais potência

 Impedância de TRABALHO
Dado é fundamental para se extrair o máximo da dupla amplificador + subwoofer

No artigo anterior falamos sobre classe de operação e características de consumo. Agora, vamos ver como as conexões podem interferir na hora de determinar o consumo. O consumidor se ilude, algumas vezes, ao levar em consideração apenas a potência máxima oferecida pelo amplificador em uma determinada impedância de trabalho. Não é culpa do consumidor não saber das relações ao funcionamento. Por este motivo, vamos abordar este pequeno detalhe, que podemos chamar de impedância de trabalho. Esta relação, entre impedância e potência liberada pelo amplificador, confunde a cabeça do consumidor e de alguns instaladores também.

Todo o orçamento começa na escolha dos amplificadores e alto-falantes. Precisamos ver a potência que o amplificador oferece e a potência que o subwoofer pode agüentar, por exemplo. É nesta hora que o consumidor deve saber como medir a potência que será realmente utilizada do amplificador que se quer adquirir. E saber qual subwoofer acoplar ao sistema para que fique a contento. A relação de impedância x potência liberada define a bitola que se vai utilizar no sistema para alimentar amplificador.
Definirá também o consumo real para que saibamos os valores dos fusíveis de proteção. E saberemos também se o rendimento será pequeno, médio ou pleno.

Vamos começar com o que seria básico a ser avaliado na hora de definir amplificadores x subwoofer. A relação é inversamente proporcional entre potência liberada e impedância do alto-falante. Lembrem sempre disso: quando a impedância dobra a potência cai pela metade (por isso é uma relação inversamente proporcional).

Um amplificador que oferece 1000 watts@1omhs normalmente é vendido pela sua característica máxima de trabalho. Isso não é errado, mas o instalador deve informar ao consumidor à potência que será utilizada no sistema, de acordo com as conexões que serão empregadas.
Infelizmente, olhando um sistema montado, dificilmente poderemos definir potência liberada e consumo em Ampères. Se não soubermos exatamente as características do subwoofer instalado. As técnicas empregadas na seleção dos produtos como amplificadores e subwoofer, devem ser feitas por profissionais instaladores, sem sombra de duvida. Desta forma o consumidor terá a certeza de que está com o sistema bem dimensionado e não vai passar vergonha com o amigo que gastou 50% do que ele gastou e tem 100% mais som! Ninguém quer passar por isso.

Vamos simular algumas configurações para que o consumidor, mesmo leigo no assunto, passa entender como funciona. Outro detalhe que quero deixar claro aqui é que os subwoofer dos nossos exemplos podem ter bobina simples ou bobina dupla. Digo isso porque muitos consumidores acreditam que o falante de bobina dupla tem rendimento melhor do que as bobinas simples. E isso não é verdade, o que importa mesmo é a impedância final que o amplificador irá “enxergar”.

Os dados de potencia que iremos utilizar como exemplo serão os seguintes:

1000 watts@1ohms
500 watts@2ohms
250 watts@ohms

Consumo máximo de 150 ampères para condição máxima de potência fornecida de 1000 watts.
Este amplificador acima terá em sua carcaça, estampada em letras grandes:
“1000 WATTS”

Mas sempre existe uma condição definida para que 1000 watts sejam entregues ao falante conectado: a regra para saber a potência que será entregue ao falante, e por conseqüência, o seu consumo.

Precisamos apenas das especificações técnicas do amplificador, que já citamos a cima, e saber também a impedância do subwoofer que será utilizado no sistema.

No caso acima temos subwoofer de 4omhs, 1100 watts+amplificador por exemplo.
Neste caso teremos a potência de 250 watts fornecida pelo amplificador e consumo de 37,5 Ampères. Neste caso estaremos utilizando apenas25% da capacidade do amplificador e do subwoofer. Se o sistema custar$2000, poderíamos ter gasto bem menos utilizando equipamentos mais leves e com melhor custo x benefício.

Acima temos o mesmo amplificador e um subwoofer do mesmo fabricante. Só que com impedância de 2ohms e potência também de 1100 watts. Neste caso teremos a potência liberada de 500 watts e consumo de 75 Ampères. Aqui podemos dizer que estamos utilizando metade do que compramos, mas ainda não é uma boa proporção custo x beneficio.

Acima temos o já conhecido amplificador com um subwoofer bobina simples e impedância de 1ohms, com os mesmos 1100 watts, potência fornecida de 1000 watts e consumo de 150 Ampères. Desta forma podemos respirar aliviados, porque agora temos uso pleno do sistema e cada centavo foi bem gasto. A intenção de colocar os três projetos praticamente idênticos foi para que quem estiver lendo este artigo perceba que a aparência não traduz o resultado, que só pode ser definido com esclarecimentos e apoio técnico de um bom e confiável instalador.

Duvidas e Sugestões: williansantiago@alchemyway.com.br Treinamentos: williansantiago@stereo1.com.br

Fonte: Car Stereo Ed.140 – Texto: Willian Santiago

Os textos do Willian Santiago são perfeitos e agora com certeza vai ficar mais fácil aproveitar a potência dos amplificadores e alto falantes.

Equipe Blog Monte Seu Som / RKF SOM

Email: blogmonteseusom@rkfsom.com.br

About these ads

1 Comentário

Arquivado em Som

Uma resposta para “Aproveitar a Impendância é segredo para ter mais potência

  1. gisnailson

    ESSE mano é o cara manja tudo é um especialista … foi um dos meus prof. e continua sendo cada materia que ele escreve acompanho tudo ….

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s